O Ponto de Virada

Um dos grandes questionamentos da minha vida é tentar descobrir quem eu sou. Na adolescência e no começo da vida adulta isso era menos importante. Estava seguindo, vivendo a vida e descobrindo as coisas sem muita pressa. Durante todos esses anos, em tudo que fiz, sempre houve a dúvida se eu estava seguindo o caminho certo, o caminho que me levaria a ser o homem que sempre quis ser. Ironicamente eu nunca soube como era esse homem, mas sabia – e sei – que vou saber como é quando chegar lá.

Essa jornada que me trouxe até aqui e que me fez sentar novamente na frente do computador para escrever, mais uma vez, sobre exatamente as mesmas dúvidas que eu tenho desde sempre, construiu o que eu sou. Apesar disso, eu não sei o que sou e o que foi construído!

Para tentar me entender, vejo tudo que eu fiz na vida e lembro com muito afeto da primeira versão do Abacate Doce, lá em 2001. Tratava-se de um site sobre “coisas que eu gostava”, com enfoque em informática. Era para ser “meu cantinho”, “meu reduto”. Conforme os anos se passaram e eventos foram acontecendo, fui me moldando, tirando textos do ar e mudando o site até que, por fim, sobrou o que você pode ver hoje: um simples blog com alguns textos recentes.

É um dos grandes arrependimentos que tenho. Deveria ter continuado. Só que se eu não tivesse feito isso, não seria quem eu sou hoje, não teria feito outras coisas e construído este Ser Atual. Então concluo que tudo foi como deveria ser e não como eu acho que deveria ter sido.

Agora, para de hoje em diante, reunindo tudo que aprendi, construí e acrescentei ao meu Ser, pergunto a Deus, alguém que tanto critiquei e questionei no passado: qual o próximo passo que o Senhor quer que eu siga? A resposta já está dada e está no homem que quero ser.

Em Busca Da Verdade

Dizem que a vida é difícil. Dizem que a vida pode ser fácil. Dizem que a vida é bela. Dizem que a vida é feia. Eles dizem. Todos dizem. Todo mundo tem a resposta para todos os problemas da sua vida. Falsos profetas, falsos gurus, falsos mestres. Às vezes, é bem verdade, em um ato de generosidade, as pessoas dizem aquilo que funcionou para elas tentando te ajudar. Eu faço isso. Afinal, se funcionou para mim algo que me trouxe respostas, pode funcionar para você também.

Mas qual a verdadeira resposta? Eu digo a VERDADEIRA resposta? Qual a VERDADE? Qual a última e única resposta para tudo? Cada pessoa tem uma percepção. Cada pessoa tem uma história e uma capacidade que a faz conseguir ver um pedaço do todo. Mas volto a perguntar: qual a VERDADE? O incontestável, o inquestionável, o motivo pelo qual todos estamos aqui, porque tudo acontece como acontece e o destino final.

É uma busca incessante por uma resposta que não vem. Filósofos milhares de anos antes de mim tentaram achar essas respostas. Religiões dizem tê-la.

Mas onde está A Resposta que te deixará atônito, imóvel, que te fará sentir cada átomo do seu corpo vibrar em realização por tê-la descoberto?

Acredito que algumas pessoas a tenham encontrado, mas como é algo muito profundo e inexplicável, mantém para si.

Releio textos meus de anos atrás, da adolescência, e neles já vejo essa busca. Não achei nada até hoje. Algumas respostas menores, algumas dicas, mas nada que trouxesse a paz que procuro.

Confesso que às vezes cansa.

Mas continuarei nessa busca.

Olhando Para o Sol

Parece que o Senhor não permitirá que eu saia da sombra em que estou enquanto não fizer aquilo que te pedi antes de reencarnar. Dá-me esporadicamente um vislumbre do que posso ter se o caminho que quero eu seguir. Da escuridão fria da noite de inverno, o Senhor me permite abrir os olhos e olhar diretamente para o Sol mais quente de verão, sentindo a luz ofuscante e o calor intenso.

Percebo que essa luz magnífica só é percebida quando me aproximo do Senhor. E isso ocorre sempre que penso no caminho que juntos traçamos. Aliás, no caminho que eu tracei e o Senhor me permitiu seguir.

Olhando Para o Sol

Deu-me todas as ferramentas necessárias. Comprimiu-me até eu sentir a dor da necessidade de libertação. Sussurrou em meu ouvido e por vezes gritou. Deixou-me mergulhar na escuridão que eu quis. Despenquei. E por vezes, junto comigo o Senhor chorou.

Pedir o perdão ao Senhor não é necessário, pois o Senhor já me perdoou. O que preciso é agradecer pela oportunidade e por me deixar abraçar o fogo do amor, fundindo-me com aquilo que de fato eu sou.

Renasço. Escolho o dia de hoje. Escolho o dezenove. Escolho o caminho da luz.

Sou escritor e as almas aquecerei, assim como o Senhor comigo fez desde sempre, faz hoje e para sempre fará.

Medo de Você

Você tem medo de você? As pessoas têm. Medo de você, medo delas. E por isso acabam se boicotando, ignorando o potencial, a criatividade, inteligência, habilidade, carisma ou sexto sentido dormente nelas. Tudo por um medo inconsciente do que elas poderiam fazer com seus talentos. Um grande poder gera uma grande responsabilidade. Portanto, se a pessoa sente que pode fazer algo grandioso que lhe dê muitos holofotes, pode acabar se boicotando ou se sabotando para poder ficar na sua atual zona de conforto. Nas sombras.

O medo da exposição também pode gerar uma auto-opressão. Afinal, todos os exemplos de grandes gênios ou revolucionários que tivemos ao longo da história, foram de imediato negados, oprimidos ou marginalizados no começo de suas trajetórias, sendo que alguns só tiveram o devido reconhecimento muito tempo após sua morte.

TemploTrêsCoroasA comparação aqui não é entre os feitos de gênios históricos e o que você e eu fazemos, mas sim entre o desafio de “sair da toca” que eles enfrentaram e que nós podemos estar enfrentando ao oprimir nossas ideias. As proporções são diferentes, mas o ingrediente é o mesmo.

Ao nos elevarmos a posições mais altas viramos alvos maiores de críticas. Ninguém escreverá criticando o sujeito com um blog de 35 visitas, mas aquele que chega a 35 milhões instantaneamente virará alvo de críticas e de desafetos. E quem quer ser criticado? Nós mesmos tendemos a escrever e manifestar muito mais críticas do que elogios. Existe um site para fazer reclamações a empresas, mas não um para fazer elogios.

Então, agora você poderá responder que não tem medo de você, mas sim das críticas, da superexposição, das grandes responsabilidades.

Ora, o problema então é o mundo exterior? Você quer basear sua existência na aceitação total do mundo exterior? Se você é capaz e se tem o dever de ser honesto com si mesmo, despertar os dragões adormecidos em seu interior e por fim aceita essa verdade, ou seja, aceita a si mesmo, por que não se liberta?

Porque você tem medo de perturbar o exterior e assim ter como única base confiável e sólida você mesmo. Logo, você tem medo de confiar em você, de libertar seu poder e enfrentar o mundo, pois dessa forma, ele, o mundo, não servirá mais como modelo a ser copiado. Somente você o será. E você tem medo de você, de não poder dizer “ah, mas todo mundo faz assim”, “ah, mas as pessoas fazem assim” e assumir toda responsabilidade.

Perca o medo de você. Nós, pessoas fora de você, não precisamos de mais do mesmo. Precisamos de novidades. Revele-se.

Desenhe seu próprio Universo e apresente-o para nós.

Epica-Design-Your-Universe

“Não se esqueça, você é capaz de Desenhar Seu Próprio Universo.”

Suas Paranoias Te Controlam?

Uma vez estava tentando entender minhas paranoias. Então, passei a me questionar: qual a origem dos meus pensamentos paranoicos e negativos? Seria meu “eu das sombras” ou alguma força externa? Talvez o fato de eu usar o pronome possessivo “meu” ao me referir a esses pensamentos já fosse um indício que apontasse para a origem do problema, pois estava assumindo que esses pensamentos eram “meus” sem eles necessariamente serem.

Mas assumindo que eles o fossem, poderiam não serem necessariamente ruins?

Parto do princípio que as coisas tendem a não serem puramente ruins ou boas. Por exemplo, o veneno de cascavel que é algo intrinsecamente visto como algo ruim, já está sendo pesquisado para ser utilizado em tratamentos contra o câncer. E para a própria cascavel ele é algo bom. Trazendo essa analogia para a nossa vida cotidiana, pode-se dizer que o pessimismo é uma característica ruim, mas se for convertida em arte – quadros, música, textos – pode ser uma característica transmutada em algo positivo.

DarkClouds

As nuvens mais escuras lavam as energias negativas ou te molham até os ossos?

Por isso, pensei nas paranoias como uma mangueira de água cuja torneira está aberta com muita força. Há muita água correndo e está alagando tudo. Pois se eu assumisse o controle dessa torneira, poderia utilizar essa água quando quiser, da maneira que quisesse. Poderia utilizar esses pensamentos de forma consciente e equilibrada para evitar riscos desnecessários, diferente da forma como esses pensamentos eram usados, que eram para tentar evitar e antever todo e qualquer perigo ou problema que poderia acontecer, mesmo problemas improváveis.

E assim levantei outra questão: eu estava conseguindo prever e evita todo e qualquer perigo?

Hoje posso afirmar com certeza: evidentemente que não!

E quando os problemas ocorreram, essa tentativa de tentar prevê-los me ajudou estar preparado para enfrentá-los? Não. Pelo contrário, pois consumiu uma energia vital desnecessariamente.

E quando os problemas de fato aconteciam, eu conseguia buscar soluções apesar de não os ter previsto? Se o problema tinha uma solução, sim.

Portanto, o problema de pensamentos paranoicos e pessimistas já possuía uma solução. E eu nem precisei prever que um dia eu teria que enfrentar esse problema.

E você, se é paranoico ou pessimista, utilizando esses pensamentos como bússola, por acaso já conseguiu melhorar sua vida ou eles simplesmente drenaram sua energia?