Entre o Céu e a Terra

Conheci um blog e canal do YouTube bastante interessante, chamado “Assombrado”. Trata-se de um blog que lida com temas misteriosos de maneira séria, tais como OVNIS, assombrações, teorias da conspiração e fenômenos sobrenaturais em geral. Há diversos quadros no canal. Em alguns, a Ana, uma das apresentadoras do canal, somente relata as histórias “assombradas” que ela tem conhecimento, sem fazer nenhum juízo se é verdade ou não. Em outros, o Mateus, o outro apresentador, faz verdadeiros documentários contando toda a história do caso expondo as diversas explicações possíveis.

Eu sempre fui apaixonado por esses temas, assim como teorias da conspiração possíveis. É interessante ver que para diversos fenômenos há explicações plausíveis, porém outros não há nenhuma explicação conhecida e desafiam tudo que sabemos da ciência. Eu não tenho vergonha em dizer que diversos fenômenos eu considero realmente de origem extraterrestre, espiritual ou paranormal, a mim sendo a explicação mais convincente.

Porém o que quero abordar nesse texto não são esses fenômenos, e sim a nossa própria falta de conhecimento sobre o nosso próprio planeta. O exemplo que ilustra isso perfeitamente é o celacanto.

celacanto

Celacanto. Foto encontrada no Google. Autor desconhecido.

Celacanto é um peixe que a ciência considerava extinto há 200 milhões de anos, até que em 1938 foram encontrados exemplares vivos desse estranho animal. Outros fenômenos naturais simples como ondas de raio-X e até vírus e bactérias eram completamente desconhecidos até o século XX. Avançando um pouco, temos ainda a estranha matéria escura que não sabemos bem o que é, mas sabemos que corresponde a maior parte do que “vemos” do Universo. Para a arqueologia, podemos falar do mistério da construção das pirâmides, que até hoje não foi elucidado a contento ou ainda da descoberta de 2019 um palácio que foi revelado somente graças a uma seca, no Iraque. Trazendo o desconhecimento para mais próximo de nós, há o genoma humano, que ainda não compreendemos perfeitamente o seu funcionamento e sua complexidade, descobrindo a cada dia novos genes responsáveis por doenças ou mutações. E por fim, na superfície, há todos os processos sociais e a epidemia de suicídio e depressão, segundo dados da OMS, que ainda não possuem suas causas plenamente compreendidas.

Tudo isso é para ilustrar o quanto nós não sabemos sobre tudo. Sobre o planeta em que vivemos, sobre nossa galáxia, nosso sistema planetário, nosso universo e sobre nós mesmos. Há uma infinidade de mistérios a serem revelados e muitos deles, talvez, tenham explicações realmente incríveis, tanto quanto foi para a humanidade quando descobriram que seres microscópicos e invisíveis a olho nu podiam causar tantos danos e doenças em nós, ou quando descobriram as enormes limitações que nossos sentidos têm, impossibilitando-nos de perceber completamente a realidade ao nosso redor.

Isso me faz sonhar, imaginar e, porque não, ter certeza que o tamanho da realidade que nos cerca é absurdamente maior do que a fração que percebemos, tornando-me humilde e aberto a possíveis explicações para fenômenos que ainda não compreendemos. “Há mais coisas entre o céu e na terra, Horácio, do que sonha a nossa vã filosofia”. Não sei se Shakespeare realmente escreveu isso, mas ele deveria estava certo.