Prisão I: Consumismo

Condenação:

  1. Viver para comprar acessórios, objetos, penduricalhos e bugigangas que não vão fazer a menor diferença na nossa vida em termos práticos;
  2. Não se satisfazer com os bens materiais que se tem, buscando sempre um modelo diferente e mais novo que, na prática, não melhorará nossa vida em nenhum aspecto, seja no conforto, na solução de problemas, praticidade ou satisfação de necessidades fundamentais;
  3. Comprar produtos e não os consumir, tais como roupas, livros, jogos, músicas, revistas, comidas, joias, calçados e outros.

Que crimes nos levam a essa prisão?

Todos cometemos algum crime e acabamos sendo enviados para esta prisão, nem que seja em regime semiaberto. Em síntese, os crimes mais comuns e que geram o tempo de retenção mais longo, são:

  1. Deixar se levar pela corrente da sociedade que tende a ridicularizar ou marginalizar quem não está seguindo o modelo-padrão de comportamento pessoal esperado;
  2. Ceder à tentação de parecer ser o que não se é, necessitando de acessórios para ofuscar sua imagem diante as demais pessoas;
  3. Cultivar o medo de si, o medo de estar com si e assim destinar energia e recursos para preencher a vida com coisas materiais que desviam sua atenção de você mesmo;
  4. Buscar preencher vazios espirituais com matéria bruta, ou seja, bens materiais.

Como saímos da prisão?

Quem está preso no consumismo normalmente tem dificuldades de reconhecer. Sente-se livre por acreditar que deliberadamente optou por se prender. É um paradoxo: se sou livre para fazer o que quero, deixo de ser livre se opto por me prender no consumismo?

De um ponto de vista imediatista e mundano, há liberdade nessa escolha. Mas de um ponto de vista espiritual e pela busca do contato com o seu próprio Universo, você está  fugindo ao se aprisionar em algo que não lhe trará absolutamente nada a longo prazo e em crescimento espiritual. Então sair dessa prisão é essencial, mas não necessariamente simples.

Primeiramente, precisamos entender nosso grau de evolução e admiti-lo. Estou longe de um ser totalmente desapegado ao consumismo e não vou mudar em alguns minutos. Aliás, nada no Universo é instantâneo e as mudanças em nós, parte do Universo, também não são elaboradas instantaneamente. Tendo em mente o seu grau de evolução, você não pode exigir ter um comportamento de um ser super evoluído. Você não precisa se tornar São Francisco de Assis ou Chico Xavier agora. Não se cobre por isso.

EstradaLiberdade

A estrada para a liberdade não é calçada, plana e reta.

O objetivo é a melhora gradual. Não se culpe se comprar uma blusa que não precisava, mas desenvolva em si o hábito de se perguntar antes de fazer uma compra: você realmente precisa daquilo? Você, sozinho ou rodeado somente das pessoas que ama, se sentiria melhor com aquilo? Será que eu realmente preciso comprar mais um tênis? Se eu só tenho um par e ele não está muito bom, eu preciso. Se eu tenho vinte e nove pares ótimos, acho que não preciso de mais um par. E será que eu preciso comprar o novo celular Master Turbo Adventure II, que agora tem soluções para problemas que eu nem sabia que tinha? Talvez não precise.

 

Todos sofremos influência do meio em que vivemos. Se você vive em um meio com pessoas em que o consumismo é considerado benéfico e padrão, pode ser muito difícil para você seguir um caminho oposto. O mais importante é lembrar que toda evolução é um processo individual e voluntário, que não depende da aprovação de terceiros.

Liberte-se! Por você.

Nosso Momento Eterno

Você já pensou que tudo que conhecemos, desde as estrelas até nossos próprios corpos, um dia deixará de existir? Tudo que você faz, tudo que você constrói, um dia desaparecerá. A consciência desse fato pode nos fazer pensar que talvez nossa existência não valha a pena. Por outro lado, será que esse não é um dos vários segredos da vida?

Se seus acertos e glórias serão esquecidos no tempo, seus erros e derrotas também serão. Nada é eterno, mas os momentos serão eternamente únicos e jamais repetidos!

Talvez o presente realmente seja um “presente”, pois nos permite viver um momento de cada vez. Nesse momento, você e eu carregamos a soma de tudo que acertamos e erramos em nossas vidas. O momento que irá um dia se perder no tempo, você o está vivendo. Você é único nessa dimensão e local do tempo. É uma dádiva tão grande, algo tão exclusivo que pode-se dizer que é um segredo entre você e Deus. Só Ele sabe e sente exatamente o que você sente.

E divagando mais, imagine aquele instante em que você leu a linha anterior do texto. Ele já não existe mais! Surgiu e desapareceu! Você não pode parar para apreciar um instante exato. Quando começamos a pensar, nossa forma temporal de ser e existir já nos transporta pelo rio do tempo para o próximo instante.

De instante em instante, temos momentos. É difícil capturar um instante. Você vive momentos. O momento em que se sentou com uma xícara de café quente para me ler, o momento em que sentiu a água quente lavar seu corpo, o momento em que saciou sua fome, o momento em que estava fazendo algo com a pessoa amada, o momento que ganhou consciência e nasceu.

Cânion Itaimbezinho

Bonito, imponente e feito em milhões de anos. Mas não é eterno.

E por isso que acho que isso é um dos segredos da vida. O pequeno Universo infinito que existe em nós construindo uma história única e exclusiva onde somente Ele, Deus, é o outro telespectador.

Aí a questão é o que fazemos com esses momentos e se nós realmente entendemos o que eles significam. O fluxo do mundo e da sociedade moderna nos empurra fortemente para um caminho de velocidade descontrolada, ansiedade, pressões e o pior de tudo: uma autocobrança para sermos o que não somos. Coma rápido, faça rápido, resolva rápido, durma pouco, trabalhe muito, pense rápido e seja como os outros querem ser.

E aí você entra nessa “pilha” e passa a ser apenas um galho quebrado de uma árvore flutuando rio abaixo no tempo. Ou usando outra analogia, um papagaio social: todos fazem, todos correm, você repete e não sabe por quê.

E perde os momentos, que são seu segredo com Deus. E se distancia de você mesmo e do que você é. Pior ainda: daquilo que você pode ser. Por que? Porque você estava ocupado e com pressa demais para chegar em algum lugar que nem é para onde você queria ir.

Respire. Relaxe. Siga seu fluxo e o fluxo do seu Universo. Deus compartilha esse segredo com você em todos os momentos da sua vida. Ouça-o.

Rotular é Limitar

Quando tentamos nos entender, tentamos buscar o que somos plenamente ou descobrir em qual rótulo nos encaixamos?

Rotular é definir, é descrever. É simplificar algo complexo em algo simples. E por isso rotulamos tudo. Não quero lidar com a complexidade de um ser humano, então digo que ele é “antissocial” simplesmente porque ele não gosta de ir nas festas que eu gosto. Pronto. Problema resolvido. Eu mantenho meu mundo intacto e já acho explicação para um comportamento diferente que eu não entendo.

Rotular é prender. É definir. É limitar. Não somos latas de ervilhas. Alguém que é um Universo não pode ser limitado com um rótulo qualquer. Se levarmos rótulos para nossa vida, eles dirão como devemos nos posicionar no mundo. Se eu não sei o que fazer em uma situação, se eu não sei o que pensar, basta ver o que diz o manual de diretrizes e comportamentos de um dos meus rótulos. E assim fica fácil, não é?

Rotular é definir e eu não quero ser definido. É possível que comportamentos meus se enquadrem em algum rótulo, mas eu vim antes do rótulo, ou seja, ele é uma criação do mundo para tentar entender o que faço e não eu que sou uma criação do rótulo para o mundo. Não quero e me recuso.

E você deve fazer o mesmo. Eu sei que é difícil. Nós vamos nos encontrar em situações em que precisamos decidir que tipo de pessoa queremos ser, e às vezes a decisão vai contra algum modelo preestabelecido que estávamos seguindo por não queremos assumir para nós as responsabilidades. “Sou Venusiano, e os Venusianos são assim. Então, agora, nessa situação que não sei o que fazer, ao invés de usar minha consciência, vou imaginar o que um Venusiano faria”. Assim fica fácil, pois você deixa de ser um ser único, individual, com suas experiências e visões únicas do Universo, para ser um simples Venusiano qualquer como tantos outros.

Por outro lado, se você assumir suas decisões, agir seguindo sua ética, moral e convicções, a recompensa é grandiosa: liberdade. O desapego total a rótulos e dogmas. Você e simplesmente você, sem se preocupar em se enquadrar em um grupinho de especiais com um rótulo chique. Toda glória e derrota será exclusivamente sua. E isso é liberdade, caro leitor!

Nós somos seres únicos e exclusivos criados com o propósito de sermos livres. Escrevi em outro texto que precisamos desenhar nosso Universo e perdermos o medo de nós. Para isso, precisamos nos libertar. É nossa missão primordial nesse mundo. Tudo que fazemos deve ser guiado pela nossa liberdade. Eu, deliberadamente, optei trabalhar oito horas e quarenta e oito minutos por dia para pagar contas que eu poderia não pagar. Optei por fazer isso para pagar casa, comida, carro, internet e alguns luxos. Eu usei minha liberdade para decidir restringi-la em alguns momentos para poder ter alguns benefícios em outros.

Se quisermos desenhar nosso Universo, precisamos pintá-lo com a tinta da liberdade. E rótulos são solventes: removerão a tinta, removerão nossa vida, removerão o que somos.

Liberte-se. Desrotule-se.

Medo de Você

Você tem medo de você? As pessoas têm. Medo de você, medo delas. E por isso acabam se boicotando, ignorando o potencial, a criatividade, inteligência, habilidade, carisma ou sexto sentido dormente nelas. Tudo por um medo inconsciente do que elas poderiam fazer com seus talentos. Um grande poder gera uma grande responsabilidade. Portanto, se a pessoa sente que pode fazer algo grandioso que lhe dê muitos holofotes, pode acabar se boicotando ou se sabotando para poder ficar na sua atual zona de conforto. Nas sombras.

O medo da exposição também pode gerar uma auto-opressão. Afinal, todos os exemplos de grandes gênios ou revolucionários que tivemos ao longo da história, foram de imediato negados, oprimidos ou marginalizados no começo de suas trajetórias, sendo que alguns só tiveram o devido reconhecimento muito tempo após sua morte.

TemploTrêsCoroasA comparação aqui não é entre os feitos de gênios históricos e o que você e eu fazemos, mas sim entre o desafio de “sair da toca” que eles enfrentaram e que nós podemos estar enfrentando ao oprimir nossas ideias. As proporções são diferentes, mas o ingrediente é o mesmo.

Ao nos elevarmos a posições mais altas viramos alvos maiores de críticas. Ninguém escreverá criticando o sujeito com um blog de 35 visitas, mas aquele que chega a 35 milhões instantaneamente virará alvo de críticas e de desafetos. E quem quer ser criticado? Nós mesmos tendemos a escrever e manifestar muito mais críticas do que elogios. Existe um site para fazer reclamações a empresas, mas não um para fazer elogios.

Então, agora você poderá responder que não tem medo de você, mas sim das críticas, da superexposição, das grandes responsabilidades.

Ora, o problema então é o mundo exterior? Você quer basear sua existência na aceitação total do mundo exterior? Se você é capaz e se tem o dever de ser honesto com si mesmo, despertar os dragões adormecidos em seu interior e por fim aceita essa verdade, ou seja, aceita a si mesmo, por que não se liberta?

Porque você tem medo de perturbar o exterior e assim ter como única base confiável e sólida você mesmo. Logo, você tem medo de confiar em você, de libertar seu poder e enfrentar o mundo, pois dessa forma, ele, o mundo, não servirá mais como modelo a ser copiado. Somente você o será. E você tem medo de você, de não poder dizer “ah, mas todo mundo faz assim”, “ah, mas as pessoas fazem assim” e assumir toda responsabilidade.

Perca o medo de você. Nós, pessoas fora de você, não precisamos de mais do mesmo. Precisamos de novidades. Revele-se.

Desenhe seu próprio Universo e apresente-o para nós.

Epica-Design-Your-Universe

“Não se esqueça, você é capaz de Desenhar Seu Próprio Universo.”

O Universo Em Um Prato

Certo dia fui ao meu restaurante favorito e após me servir e sentar para almoçar, parei para refletir sobre quão afortunado eu era por aquele momento. Poder pagar um buffet livre, no meu restaurante favorito, para comer à vontade. Olhei para o feijão, o arroz, as saladas, as almôndegas de soja, a farofa, as batatas gratinadas, o suco de limão com gengibre e pensei que poderia comer tudo aquilo e depois, se quisesse, voltar a me servir e comer mais. Poderia, literalmente, comer até não aguentar mais de tanto comer. Poderia me servir de sobremesa ou experimentar todos os diferentes apetitosos pratos do restaurante.

Então, percebi o quão abençoado eu era. Agradeci a Deus pela oportunidade que foi me dada de poder trabalhar e me dirigir até aquele restaurante. Agradeci por saber que poderia almoçar em paz, sem o risco de uma guerra interromper minha refeição. Agradeci por saber que todas pessoas queridas a mim poderiam desfrutar também de uma refeição como aquela. Agradeci por estar saudável e poder comer tudo aquilo. Agradeci a todas as pessoas que me ajudaram a chegar naquele momento.

MonicaDormindo

Dormir em paz é outro momento onde somos abençoados e gratos.

Naquele instante, toda a maldade do mundo, toda maldade do Universo, não estava me atingindo. Eu estava totalmente imune a ela. Eu, meu prato, minha refeição. Era um momento precioso. E vocês, meus leitores, quantos de vocês também não têm momentos tão preciosos quanto esse e acabam não percebendo, assim como eu não percebia antes? Aquele instante em que você está sorrindo para seu filho? Aquele momento em que observa o pôr-do-sol? Ou o banho com água limpa, sabonete, shampoo? Essas pequenas dádivas, onde a maldade do Universo não existe.

Somos afortunados pelo simples fato de podermos ter tido a oportunidade de conquistar um prato de comida. Muitos no mundo simplesmente não têm sequer essa oportunidade. Uma criança no meio de uma guerra; Uma vítima de uma ditadura; Um pai de família desempregado. O que não se passa no coração e mente dessas pessoas?

Aquele que nasceu na miséria e nela morreu, será que um dia sonhou em um mundo onde se come à vontade por alguns Reais? Ela sabe que há um mundo assim? Ou isso é tão distante quanto as estrelas?

Afortunados e gratos. Agradeça a seus pais, tios, avós, amigos ou quem for que te dê comida. Agradeça ao local onde você trabalha por te dar essa possibilidade de trabalhar. Você e eu, meu leitor, temos um Universo em um prato de comida, mas a distância entre nós e aquele que sequer consegue sonhar com nosso mundo, é apenas de alguns Reais de oportunidades.